Arquivo da tag: Hong Sang-soo

Leviathan e outras críticas na revista cinética

Camile

Leitores, se os tenho, fica um aviso. Desde dezembro  tenho colaborado com a revista cinética, de quem sempre fui um leitor assíduo. Se compartilho isso aqui, nesse amontoado da minha produção mais pessoal e recente, não é por acaso. Muito da minha intenção  – e da dedicação do meu tempo – para escrever crítica “de cinema” foi, pouco a pouco,  migrando para esse projeto coletivo. E é prazeroso reverberar num debate que te ultrapassa, que coliga suas inquietações junto a uma teia de afinidades eletivas. Sim, eu sei, já se foi algum tempo e eu poderia ter comentado essa notícia um pouco antes. Mas se tiverem curiosidade podem ler um pouco da minha escrita mais contemporânea, como uma crítica que escrevi sobre  Amor do Michael Haneke, a cobertura que fiz da Berlinale , com resenhas de filmes como Camile Claudel, 1915 de Bruno Dumont, The Grandmaster Wong Kar-Wai, Promised Land de Gus van Sant, Harmony Lessons do jovem cineasta Emir Baigazin, Nobody’s Daughter Haewon de Hong Sang-soo entre outros. Também publiquei na Cinética um ensaio que sintetiza muitas das minhas ideias mais recentes, que foi fruto da pauta coletiva sobre Dispositivo e chama-se  Dramaturgia da dúvida. Nessa última edição, de julho, contribuo com um ensaio sobre o filme Leviathan de Lucien Castaing-Taylor e Véréna Paravel, obra ímpar que me impactou de forma intensa e que logo deve entrar em cartaz no Brasil. O “trailer” está nesse link: https://vimeo.com/45252172  e fica a dica de verem essa obra. Será um prazer, enfim, comentar por aqui qualquer um desses filmes/textos, ampliando, quem sabe, nossas inquietações cinéfilas.

Deixe um comentário

Arquivado em Berlim sem fim, Cinefilia, Cinema contemporâneo